08 agosto 2008

Conferência em Iturama (I)

No dia 6 de agosto fiz a conferência inaugural do II Congresso Regional de Educação, promovido pela Faculdade Aldete Maria Alves (FAMA). O tema foi "Cidadania global no século 21: educação e participação social através das novas mídias", esse mesmo que tenho desenvolvido desde a Semana de Estudos Jurídicos, no semestre passado, e que apresentei no congresso na Universidade de Coimbra. Foi bem interessante. A cada vez que falo do tema me entusiasmo mais, porque percebo que ainda há uma visão ora deslumbrada ora estereoripada sobre o poder das mídias. Na introdução, levo o problema do consumo simbólico ao limite para depois propor soluções. Minha idéia - que na verdade nem é minha, mas já é comum nos estudos de Educomunicação - é que os alunos devem fazer mídia nas salas de aula para firmarem, antes de tudo, uma postura crítica sobre o próprios processo da Comunicação. Só assim poderão estabelecer um pensamento crítico sobre as mídias.

E é legal também lembrar que uma das coisas mais interessantes nessas viagens é conhecer pessoas novas, com pensamentos, vivências e referências diferentes, mas com alguns princípios semelhantes. Não é qualquer um que se aventura nas dificuldades de organizar um congresso de educação no interior do Triângulo Mineiro. Isso é coisa para quem gosta muito de educação. E para gostar de educação tem que gostar de gente, tem que ter vontade de transformar o mundo. Não é à toa que o tema do congresso foi justamente: "Educar é humanizar: saberes necessários è educação". E não foi nenhuma surpresa quando, na cerimônia de início dos trabalhos, as professoras passaram a falar de Paulo Freire. Eu estava em casa! Uma professor apresentou alguns textos produzidos por um grupo de senhoras de 50 a 70 anos que estavam se alfabetizando em um programa da Faculdade. Fiquei vidrado! FOi ótimo!

+++


Ps. A propósito, meu estudo sobre a aplicação da pedagogia de Paulo Freire nas Diretrizes Curriculares para o curso de Comunicação foi bem votado no Overmundo e foi publicado no Banco de Cultura. O título principal não poderia ser outro: "Jornalismo para a transformação".

Um comentário:

horeb gonçalves mateus disse...

quando o assunto e educaçao tudo e muito pozitivo estou cursando pedagogia e pretendo trabalhar em Iturama